O que te faz feliz?

Sempre estamos à procura da felicidade. Às vezes, essa é nossa meta de vida – ser feliz, mas o que te faz feliz? Aquela viagem maravilhosa para aquele lugar tão sonhado? Aquele cheiro de café fresco?

Agora, vamos pensar diferente a respeito dos exemplos anteriores e sugiro que você imagine que está vivendo nesse lugar maravilhoso e está sentindo esse cheiro bom de café fresco. Imagine que você passou dias, anos ou uma vida nessas condições. Isso garantiria sua felicidade eterna?

A resposta para todas essas perguntas é NÃO!

Porque aquele lugar maravilhoso só é maravilhoso quando não é seu, o cheiro do café só é bom quando você o sente por alguns minutos. Depois, tudo isso se torna normal, tudo se torna corriqueiro e a felicidade passa a ser, mais uma vez, feita de novos desejos. E começamos a girar uma roda interminável de insatisfação e frustrações.

É lógico que esses exemplos são rasos e com certeza não servem para todos, mas o que quero dizer com isso é que a felicidade é momentânea e que é bom que seja assim, que isso impulsione nossas vidas sempre.

Às vezes, passamos tanto tempo lamentando essa felicidade que nunca nos satisfaz e deixamos de curtir uma vida plena, com direito a vivenciar todos os sentimentos bons e ruins dela. 

Quando “ser feliz” se transforma em nossa meta de vida, tudo a nossa volta se torna vazio. Isso porque, se a felicidade não nos acompanhar nas 24h de cada dia, nosso objetivo não estará cumprido nunca. Pense que nem mesmo nos desenhos da Disney, o “felizes para sempre” dura a história toda. Até porque, uma história não se constrói somente com momentos felizes.

Ser feliz o tempo todo não é felicidade, é ilusão, conto de fadas. Acho que mais importante do que ser feliz é estar feliz e contemplar a felicidade daquele momento, daquela aquisição, daquela situação, daquela companhia, daquela conquista.

Precisamos aprender a dar valor a todos os sentimentos, como damos à felicidade. São eles que nos dão as cores da nossa aquarela. Às vezes, cinza , azul, pink. São eles que dão formato a nossas metas. São eles que nos fazem crescer, apreciar nossas conquistas. São eles que temperam nossas realizações e relações. 

Quando focamos na felicidade eterna, deixamos de aproveitar tudo que vida pode nos oferecer. Isso porque, frequentemente, somos felizes em momentos que jamais imaginávamos que seriamos. Se o foco fosse só a felicidade, certamente não teríamos esses momentos do incerto, do novo. Seriamos animais adestrados e só faríamos o que sabemos (ou o que achamos que sabemos) que nos gera felicidade, jamais nos arriscaríamos em novos desafios e novas aventuras. Viveríamos na mesmice da felicidade que já conhecemos e, talvez, nunca soubéssemos se de fato somos inteiramente felizes. 

Tudo demais cansa e enjoa, seja por sentimentos bons ou ruins. 
Medo demais limita. 
Amor demais enjoa.
Tristeza demais doe.
Felicidade demais entedia.
Percebe onde quero chegar?

Por isso, desejo que sua vida seja repleta de sentimentos, para que você possa se comover, apreciar e se sensibilizar com a vida. Que seus momentos de tristeza te mostrem que você já passou pela felicidade e que ela é possível de ser alcançada. Que em seus momentos de felicidade, você possa lembrar que já passou por tristezas e que isso te faz viver a felicidade deste momento com intensidade, até que um próximo sentimento te arrebate e assim você possa sentir toda a emoção que a vida pode te oferecer. Que você sempre busque a felicidade, mas que ela não seja seu único objetivo de vida, pois, se for só isso, tenho certeza que não será feliz.

Irônico né?

E quem disse que a ironia só pode ser ruim? Mas isso fica para um próximo texto…

Comentários

comentários

Karina Martinelli

Karina, 30 anos, moro em Campinas - SP, com meu marido Thiago e meu filho Pedro Augusto, 2 anos. Vivo uma constante mutação e isso que me impulsiona na vida, mudo de ideia como mudo de roupas e considero isso mais uma qualidade do que um defeito. mais?