Sobre as galerias e as propostas

Voltar a blogar foi uma das coisa que mais me animou pra este semestre em que o mestrado deu errado e também precisei desistir da disciplina que comecei a fazer como aluna especial. A minha cabeça fez um monte de projetos, vários planos mas daí a torná-los “postados” é um pouco mais complicado.

Uma das coisas que quero fazer tem muito tempo é escrever sobre alguns lugares onde estive. Tem a viagem que fiz pela Europa, mas não só. Eu já fui para tantos lugares aqui por perto e valeu tão a pena quanto. Fizemos uma road trip pelos estados da região Sul que foi sensacional, enfim. Mas eu não quero também resumir tudo a um blog sobre viagens. As galerias são pra atualizar o site – o que é ótimo, pq fáceis de montar, porém não rápidas, e para também organizar minhas fotos de viagem, deixá-las serem mais que arquivos dentro de uma pasta “na nuvem”.

Outro dos temas que quero trazer pra cá é maternidade, pq boa parte da minha vida hoje é isso. E feminismo, e uma maternidade feminista. Pq as pautas do feminismo devem ser indissociáveis dos temas que a gente aborda como mães. Pq são mulheres (com raras exceções que, felizmente, vem aumentando) que escrevem sobre as experiências, as frustrações e as dificuldades da parentalidade? Não há muito mais o que dizer.

E junto disso – ou ao encontro disso – tem outros temas que eu quero explorar aqui, que eu quero escrever sobre, de outros momentos da minha vida, que me fizeram estar aqui. Falar sobre consumo, minimalismo, a busca por uma vida mais saudável e coerente, autocuidado, mesmo.

Sei lá, essas são algumas “pautas” para serem tratadas. Eu quero muito também trazer outras pessoas pra escrever. Queria tornar este blog menos pessoal e mais colaborativo, vamos ver se isso rola.

É isso, meu primeiro post neste universo de blogosfera foi há quase 15 anos – QUINZE ANOS – metade da minha vida. Quase porque falta aí um mês e meio. Ele já teve mais espaço na minha vida, já ficou mais de escanteio, mas segue aqui, sempre. Das coisas que de vez em quando eu faço é rever uns posts – e geralmente dá uma certa angústia mesclada com a famosa vergonha alheia. O que queria dizer é, eu precisava reocupar este espaço. Precisava novamente trazer esta terapia pra minha vida.

E vamos ver o que rola.

Comentários

comentários

Marcela Santander

Marcela, 30 anos. Pisciana com ascendente em gêmeos e lua em escorpião. Mãe, feminista, ser político. Interessada em estudar antropologia e convenções sociais. mais?