Temos pressa

O ano começa e queremos colocar tudo o que não fizemos nos 365 dias anteriores em prática, logo nos primeiros dias do mês. A cabeça entra em parafuso e os olhos correm para a internet em busca de soluções infalíveis e imediatas, que nos ajudem a cumprir com tudo o que nossa mente produz.

Como se o tempo tivesse encurtado, logo no inicio deste novo e brilhante ano que começa, temos pressa, temos planos e o imediatismo segue ao nosso lado, desde a hora em que acordamos até a hora em que vamos dormir (isso quando não nos acompanha durante o sono ou nos tira o sono), como se o mundo fosse acabar ao nascer do próximo Sol. E temos pressa, muita pressa.

Será realmente que esse sentimento que nos domina no inicio de cada ano é, de fato, produtivo para caminhar? Produtivo para viver?

Planejamos, criamos métodos, novas aquisições, novo corpo, nova vida. Queremos planejar até mesmo o implanejável; queremos dar novos passos, alçar novos voos e vamos acumulando expectativas.

De repente, vemos os primeiros obstáculos à nossa frente, e somos colocados novamente no mundo do impossível, no mundo do “não vai rolar”.

Por quê?

Estamos com pressa e a pressa nos faz enxergar de maneira limitada, nos faz pensar que o imediato é o correto e que se não for agora, não será nunca mais.

E quando vemos, Janeiro acabou e nossa esperança de um novo e brilhante ano se foi junto com ele.

Começamos a lamentar, dizer que “esse ano será como o passado e, provavelmente, como o futuro” e estagnamos, até a chegada do novo Janeiro, para começar tudo de novo.

Não seria mais fácil, ao invés de planejar a mudança da vida, do corpo, das finanças, do emprego, se começássemos a pensar na mudança de dentro? Se começarmos a nos preocupar mais em como respiramos, em como curtimos cada dia deste lindo e brilhante ano – que é como o ano passado e será sim como o próximo ano. Dias de Sol, dias de chuva, dias de vida – vida essa que é só nossa. Que não é a vida daquela youtuber que você tanto se espelha, daquela atriz com um corpo perfeito que você tanto inveja.

Elas, certamente, também têm suas crises de início de ano, também se frustraram com algo no ano que passou, também têm uma vida normal, mas só quando a câmera desliga, onde o mundo real de fato bate na janela, quando o “rec” está desligado.

Boba você, que está ai esperando o próximo click para contemplar tamanha perfeição desta vida, tão invejada por você. E, então, você volta a morder seus cotovelos e se entristece por não ser como elas.

Serão sim, novos 365 dias para preenchermos de vida e não de planos e mudanças. Para usarmos sem pressa, sem pretensão e, quem sabe, até sem expectativas.

Então, não tenha pressa, não corra contra o tempo, não dê tempo para sua vida, dê realismo a ela, pois é a nossa realidade que vivemos, aquela que te olha no espelho todos os dias de manhã, com aquela cara amassada e preguiçosa de quem acabou de levar de sua cama, cheia de vida e espaço vazios para preencher.

Todos os anos, temos um novo ano e um novo calendário para consultar, mas a sua vida não é uma nova vida a cada ano, as coisas que aconteceram no ano passado não são apagas de sua historia a cada virada de calendário.

Não tenha pressa, respire e vá em frente.

KMartinelli

08/01/2018

Comentários

comentários

Karina Martinelli

Karina, 30 anos, moro em Campinas - SP, com meu marido Thiago e meu filho Pedro Augusto, 2 anos. Vivo uma constante mutação e isso que me impulsiona na vida, mudo de ideia como mudo de roupas e considero isso mais uma qualidade do que um defeito. mais?